Cases

Nosso dia a dia com clientes e parceiros transformando negócios em sucesso. #joinus

Conteúdo pra quê?
27.09.13

Post_Content

“Posta lá no Facebook!” Postar o que? Com qual tom? Usando qual imagem? Em qual horário?
Conteúdo é, cada vez mais, um diferencial para marcas. A possibilidade que a internet deu para que cada pessoa possa gerar seu próprio conteúdo – seja por meio de um blog, site, perfil ou página em qualquer rede social – criou uma avalanche de informações sem fim na qual, diariamente, pessoas navegam buscando uma informação que realmente faça a diferença. Por quê? Porque temos muito conteúdo, mas a maior parte do que encontramos disponível na internet é cópia, mais ou mesmo ou não serve.

Por isso, conteúdo – o bom conteúdo, aquele que é estrategicamente pensado, diferenciado, filtrado e editados – faz toda a diferença na construção de uma marca em curto, médio e principalmente em longo prazo. Como é difícil encontrar conteúdo que faça a diferença, quando a pessoa encontra, ela consome, divulga para os amigos e sempre volta para consumir mais informação relevante. E esse é o caminho para que marcas possam ser fixadas na mente do público e que esse público possa vir a ser consumidor da marca. Daí o fato de que todas as atuais discussões sobre a propaganda tradicional e o relacionamento entre empresas e consumidores passarem pelo “contente marketing”, ou seja, o marketing de conteúdo.

Mas como gerar conteúdo relevante? O primeiro passo é criar uma personalidade para a empresa – a tal personificação da marca. Que nada mais é do que dá para a marca uma cara humana, próxima, que cative e seja capaz de criar vínculos afetivos com quem se relaciona com a empresa. E aqui, o fundamental é que essa personalidade realmente traduza o espírito da marca. Nem todas as marcas são engraçadinhas, nem todas as marcas são carrancudas. Não adianta você criar uma comunicação incrível e cheio de tiradas inteligentes se seu público não vai entender a piada. A personalidade digital da marca tem que traduzir seu DNA, sua essência, e ser muito próxima do que é o público-alvo da empresa.

Cumprida essa etapa, é preciso saber o que se quer comunicar para o cliente, por meio de um mapeamento de interesses. O que eu posso dizer para meu público que o ajude a ter um dia-a-dia melhor? Que facilite sua vida? Que mostre a ele como o meu produto pode ser exatamente aquilo que ele precisa? É importante delimitar um universo de temas que seja pertinente tanto para o consumidor quanto para a própria marca. Porque se você vende sabão em pó, pode sim falar de coisas que façam parte do universo do seu público e que não seja dicas para tirar manchas. Mas também não é recomendável falar sobre como trocar o óleo do carro, porque há outras pessoas/empresas com mais propriedade para falar sobre o tema, concorda?

Definido tudo, é hora de se diferenciar, gerando conteúdo de qualidade. Ou seja, nada de copiar e colar, nada de pedir para o sobrinho. Contrate um profissional ou um fornecedor que seja especialista em conteúdo. Que tenha um olhar apurado, que saiba filtrar o que importa e antecipar informações que ninguém falou sobre ainda. E não pare, porque comunicação tem que ser um trabalho contínuo.

Então, conteúdo pra quê? Para diferenciar sua marca e torná-la referência junto ao seu público.

 

Abraços,

Núbia Tavares